23 de junho de 2019

Mulheres conquistam espaço e protagonismo durante a Festa do Peão de Americana

Basta uma volta pelas instalações do Parque de Eventos CCA, palco da Festa do Peão de Americana (SP), para perceber a força e presença da mulher em diferentes setores. Elas estão na organização, na praça de alimentação, nos bretes e dentro das arenas. Se antes sofriam com o preconceito, hoje são determinantes na hora de planejar e colocar em prática as ações de um dos maiores rodeios do Brasil.

Há 27 anos, Kelly Trindade viaja o Brasil para trabalhar nos principais rodeios. Atua como madrinheira, função imprescindível nas provas de montarias a cavalo. Com muita habilidade e cuidado, resgata o peão e tenta acalmar o animal para leva-lo de volta ao brete.

“Quando toca a campainha dos oito segundos, o profissional de madrinhagem precisa estar ao lado do competidor, porque o cavalo em que ele está montando não é um animal domesticado. É preciso agilidade e muita técnica para o resgate do peão e para não machucar o cavalo”, explica.
Kelly foi a responsável por abrir as portas das arenas para as mulheres. Pioneira na profissão de madrinhagem no país, começou com 13 anos e já ganhou diversos títulos e prêmios. Entre eles, foi três vezes campeã do Arena de Ouro, prêmio corresponde ao Oscar nos rodeios.