Atriz Nicette Bruno morre aos 87 anos no Rio, vítima de Covid-19




Ela estava internada desde o dia 26 de novembro na Casa de Saúde São José, no Rio, que confirmou a morte da atriz.

A atriz Nicette Bruno morreu aos 87 anos no nal da manhã deste domingo, 20, em decorrência do coronavírus. Ela estava internada desde o dia 26 de novembro na Casa de Saúde São José, no Rio, que conrmou a morte da atriz. Nicette Bruno nasceu em Niterói, no Estado do Rio, lha única de Sinésio Campos Xavier e da atriz Eleonor Bruno, em 1933. Seguir a carreira artística foi quase uma imposição familiar. Estudou balé, piano. Aos 11 anos, entrou para o grupo de teatro da Associação Cristã de Moços.

Estreou numa montagem de Romeu e Julieta, o clássico de Shakespeare. Em 1947, foi premiada por sua atuação na peça A Filha de Iório, de Gabriel D'Annunzio. Seguiram-se participações em montagens de Nelson Rodrigues (Anjo Negro) e Oscar Wilde (O Fantasma de Canterville). Aos 17 anos, fundou em São Paulo o Teatro de Alumínio. Novo sucesso como Antônia em Pedro Mico, de Antonio Callado.

 A primeira novela foi Os Fantoches, de Ivani Ribeiro, em 1967. No cinemas, atuou em Querida Susana, de Alberto Pieralisi, Canto da Saudade, de Alberto Cavalcanti, e A Guerra dos Rocha, de José Fernando. Em 2001, distante da TV, voltou como a Dona Benta na segunda versão de O Sítio do Pica-pau Amarelo. Foram quatro anos consecutivos no ar. E voltou às novelas – Alma Gêmea, O Profeta, Tititi, Salve Jorge, Joia Rara, I Love Paraisópolis, Éramos Seis. O teatro permaneceu em sua vida – Perdas e Ganhos, O Que Terá Acontecido a Baby Jane? O monólogo de Lya Luft foi dirigido por Beth Goulart, uma dos três lhos que Nicette teve com Paulo Goulart, com quem foi casada por 60 anos, até a morte dele em 2014. Todos – Barbara Bruno, Paulo Goulart Filho e Beth – seguiram a carreira artística, uma tradição da família. A atriz também participou do curta-metragem Luiz, dirigido pelo rio-pretense Alexandre Estevanato. No curta, Nicette fez o papel da avó Laura. A trama gira em torno de uma família classe média típica dos anos 1990.

Nenhum comentário: