Prefeito de Palestina é preso em operação que apura desvio de verbas destinadas ao combate da Covid-19



Policiais apreenderam R$ 80 mil em dinheiro na casa de Fernando Luís Semedo. Investigações apontaram que grupo desviou R$ 8 milhões de verba da saúde.


O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com apoio do Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar (Baep), deflagrou na manhã desta quinta-feira (17) uma operação contra um grupo suspeito de desviar verbas destinadas ao combate da Covid-19.
De acordo com o Ministério Público, quatro mandados de prisão foram cumpridos em São José do Rio Preto, Palestina, Macaubal, Votuporanga e Bebedouro (SP). As investigações começaram há dois anos e apontaram que o valor desviado chega a R$ 8 milhões.

Entre os presos, está o prefeito de Palestina, Fernando Luís Semedo. Na casa dele, a polícia apreendeu R$ 80 mil em dinheiro, além de documentos e materiais. A maioria dos servidores públicos foi dispensada durante a operação, mas cinco foram afastados do cargo por suspeita de fazer parte do esquema.
Segundo o Ministério Público, o grupo teria desviado milhões com a contratação de empresas de fachadas para a prestação de serviços de saúde e tratamento da Covid-19. As empresas não tinham sede, equipamentos, estrutura e funcionários, mas, acabavam sendo contratadas.

“Eles também superfaturavam de notas de plantões de médicos”, diz o promotor do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado, João Paulo Gabriel de Souza.
Em Rio Preto, um advogado foi preso um apartamento no bairro Jardim Estoril. Em Bebedouro, outro advogado também foi preso. Os dois são suspeitos de envolvimento na organização criminosa.

Nenhum comentário: