18 de junho de 2021

Ministério autoriza aeroporto em Olímpia


O prefeito destaca turismo e projeto prevê voos para Argentina, Chile e Colômbia

O governo federal concedeu outorga para que Olímpia construa um aeroporto na cidade. O documento foi publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira, 14, e dá validade ao plano da prefeitura com um prazo de 35 anos para execução. Segundo o prefeito Fernando Cunha (PSD), o município, agora, se debruçará em estudos para atrair a iniciativa privada para a construção e administração do aeródromo, que visa estabelecer Olímpia, de destino turístico regional e até internacional.

O documento é assinado pelo secretário Nacional de Aviação Civil, Ronei Saggioro Glanzmann. Segundo o projeto apresentado à Secretaria de Transportes Aéreos do Ministério da Infraestrutura, a pista para decolagens e pousos será maior que a do Aeroporto de Rio Preto, com 2.250 metros de comprimento por 45 metros de largura. O aeródromo rio-pretense tem 1.640 metros de comprimento por por 35 de largura. Isso significa que os principais aviões comerciais que operam no continente — Airbus A320 e Boeing 737 — poderão operar sem limitações de peso e capacidade no local, um dos problemas enfrentados em Rio Preto.

As limitações impostas pelo aeroporto de Rio Preto — sobretudo em termos de espaço para ampliação, já que o local é limitado pela Rodovia Washington Luís (SP-310) e pela avenida Engenheiro Rui Seixas, além de limitações de ruído — estiveram no radar da prefeitura de Olímpia quando os estudos para a elaboração do projeto foi feito. Além disso, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) estabeleceu, em abril deste ano, o Plano de Zoneamento de Ruídos de Aeródromos, que visa mitigar o impacto do ruído aeronáutico no entorno dos aeroportos. "Fizemos projetos para disponibilizar para um terminal de cargas, que o aeroporto de Rio Preto tem a impossibilidade de crescer. Temos uma pista de 2,2 mil metros, mas que pode ser ampliada. Vamos avaliar a viabilidade disso", afirmou Cunha.